terça-feira, 11 de março de 2014

Calvinismo, Catolicismo Romano e Suas Semelhanças

 
              
                    


     Os calvinistas sempre associam arminianismo com catolicismo romano. Por muito tempo venho lendo e ouvindo isso. Mas o mais curioso é que em julho do ano passado eu fiz umas pesquisas e descobri que quem tem mais em comum com o catolicismo romano é o calvinismo. Perguntei até a católicos romanos versados em teologia para que eu não concluisse nada absurdo. Pasmem! Vamos às comprovações. Entre os séculos XVII e XIX houve polarizações na soteriologia quanto a tomistas e molinistas. 
   
     Tomistas são os que seguem Tomás de Aquino (1225-1274), considerado pelo catolicismo romano como o teólogo mais destacado da igreja católica romana, um pouco acima de Agostinho de Hipona (354-430). É notório que Aquino é muito difícil de entender, haja visto sua falta de clareza e prolixidade em muitos de seus escritos. Porém, é fato comprovado que os tomistas defendem algo parecido com o que os calvinistas creem, diferente dos molinistas, que seguem os pensamentos de Luis de Molina (1535-1600) que cria em algo parecido com o que os arminianos creem. Com isso, vamos a uma análise!

  • Tomistas e calvinistas creem numa predestinação restrita que tem como sua base a eleição incondicional de algumas pessoas acompanhada de uma graça eficaz em tais eleitos incondicionalmente. (ante praevisis meritis)
  • Molinistas e arminianos creem numa eleição condicional de pessoas que, por meio da graça divina, capacita todos para andarem no caminho da fé e serem eleitos. (praevisis meritis)
      Levando em consideração que o tomismo é aceito como o posicionamento oficial do catolicismo romano, conclui-se que o calvinismo está mais para o catolicismo romano do que o arminianismo. Evidencia-se, com isso também, a falácia de muitos calvinistas escreverem até artigos como "Arminianismo, um caminho para Roma", quando, na verdade, são os calvinistas que estão num caminho de volta a Roma (baseado nos argumentos de tais calvinistas!).

     Vale a pena destacar também que com esse breve artigo cai-se o mito de que o catolicismo romano é semipelagiano, pois tanto o tomismo quanto o molinismo enfatizam a iniciativa divina para a eleição e salvação. Parece que muitos calvinistas somente conhecem o que o calvinismo prega, enquanto que ignorante do que tanto o arminianismo quanto o catolicismo romano pregam. O que o deixa numa situação de ignorância teológica imensa, pois, o calvinismo está mais para o catolicismo romano do que o arminianismo para este.

     Convém também aludir que o Papa Paulo V, mediante uma intensa discussão calorosa entre tomistas e molinistas por volta dos séculos XVII e XIX, decretou que, embora o tomismo seja o pensamento oficial do catolicismo romano, um molinista não é menos católico por causa disso, haja vista essa questão da predestinação e eleição serem muito enigmáticos.

     Tudo isso pode ser conferido em qualquer pesquisa relacionada ao tomismo e molinismo em materiais de busca na internet.

      Graça e Paz em Cristo Jesus!

8 comentários:

Gyordano Montenegro Brasilino disse...

Não é exato afirmar que o tomismo seja "o posicionamento oficial do catolicismo romano".

O catolicismo tradicional adota o SISTEMA teológico e filosófico tomista como anteparo de suas discussões; isso não quer dizer que todas as opiniões particulares de Tomás de Aquino sejam dogmaticamente ensinadas pela Igreja Romana. De fato não é assim; Tomás de Aquino, POR EXEMPLO, ensinava a justificação imediata, enquanto o Concílio de Trento oficializou a justificação progressiva.

Ademais, há uma multiplicidade de interpretações tomistas; a interpretação predestinária (bañeziana) não é unânime.

Aliás, a Reforma luterana se iniciou como reação à escolástica decadente (especialmente a soteriologia nominalista), que havia se afastado da primazia da graça reconhecida por Tomás de Aquino.

Marlon Marques disse...

Bem! Para tornar a minha assertiva baseada em fatos documentados, coloco o link onde a faculdade jesuíta onde confirma que o tomismo é a doutrina oficial.

http://www.faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/viewFile/836/1267

Anônimo disse...

Duas perguntas que não querem calar:

1) Se o tomismo é "o posicionamento oficial do catolicismo romano", porque a Igreja Católica adotou a concepção de Duns Scotus e não a de Tomás de Aquino acerca da imaculada conceição?

2) Como é possível que São Tomás de Aquino e São Boaventura de Bagnoregio sejam não apenas considerados santos pela Igreja, mas Doutores tendo tantas concepções filosóficas e teológicas distintas, uma vez que as escolásticas dominicana e franciscana eram muito diferentes?

Mesmo que um determinado autor tenha feito uso da expressão "oficial", você tem de dar-se ao trabalho de entender o que ele quer dizer com isso. Minhas perguntas mostram que o seu entendimento é equivocado, para não dizer ingênuo.

A soberba protestante é tão grande que você nem se dá conta de que fala sobre o Calvinismo e o Arminianismo como se fossem doutrinas anteriores ao Molinismo e ao Tomismo:

"é fato comprovado que os tomistas defendem algo parecido com o que os calvinistas creem, diferente dos molinistas, que seguem os pensamentos de Luis de Molina (1535-1600) que cria em algo parecido com o que os arminianos creem".

Quem crê em algo parecido com o tomismo são os calvinistas e não o inverso, assim como no caso dos arminianos.

Marlon Marques disse...

Anônimo, por que não se identifica? Pelo contexto de seu comentário, vejo que é católico romano. Por que se esconder? Agora, uma breve resposta!

1) Eu não sei por que a ICAR adotou a ideia da Imaculada Conceição de Scotus e não a de Aquino. Só sei que a ICAR se posiciona oficialmente com o pensamento tomista, como pode ser notado em vários locais!

2)Você está equivocado acerca de Aquino e Molina vierem antes de Calvino e Armínio. Na verdade, essa controvérsia similar que aconteceu dentro do catolicismo romano e dentro do protestantismo evidenciou-se quase no mesmo período! Calvino, por exemplo, nasceu antes de Molina!

Portanto, minhas assertivas não são ingênuas, meu caro!

Obs: Se você comentar no anonimato novamente, vou apagar o seu comentário! Está avisado!

Anônimo disse...

Meu jovem, leia novamente o que eu escrevi. Disse que o tomismo veio antes do Calvinismo, assim como o Molinismo veio antes do Arminianismo.

Você consegue perceber que você contradisse a si mesmo na sua própria fala?

"1) Eu não sei por que a ICAR adotou a ideia da Imaculada Conceição de Scotus e não a de Aquino. Só sei que a ICAR se posiciona oficialmente com o pensamento tomista, como pode ser notado em vários locais!"

Você pode configurar o seu blog pra ele não receber comentários anônimos. Você abre espaço pra isso e reclama depois?

Marlon Marques disse...

Em nenhum momento eu me contradisse. Apenas não sei o porquê da ICAR adotar a visão de Scotus e não a de Aquino quanto à ideia da Imaculada Conceição. Como já expus um link e pode-se ver em outros locais, é salientado que o tomismo é o pensamento oficial da ICAR. Mas é sabido de todos que a ICAR sempre gosta de adotar ideias que lhe sejam convenientes de todos os seus doutores. Aquino foi o maior, segundo a ICAR, mas como discordava da ênfase mariana, neste ponto ele foi ignorado! Só quero que saiba, caro anônimo, que sou protestante com o maior orgulho, no entanto não sou anticatólico. Pelo contrário, admiro grandes teólogos católicos romanos!

Pra finalizar, em nenhum momento afirmei que a controvérsia sinergismo x monergismo aconteceu antes no protestantismo do que no catolicismo romano. Apenas salientei que a questão é mais resolvida na ICAR do que no meio protestante!

Anônimo disse...

Gyordano Montenegro,

Você disse que "Tomás de Aquino, POR EXEMPLO, ensinava a justificação imediata, enquanto o Concílio de Trento oficializou a justificação progressiva".

Na realidade, o Concílio de Trento e Tomás de Aquino estão de pleno acordo na questão da justificação.

É progressiva a justificação segunda (o aumento da justiça recebida), mas é imediata a justificação inicial.

Carlos Seino disse...

Muito bom texto, Marlon.
Sabe que como arminiano, eu também estava entre aqueles que achavam que o arminianismo e o catolicismo tinham alguma coisa em comum no que diz respeito pelo menos à sinergia.

Como sabes, fiz algumas indagações no meu blog e por lá um católico romano parece ter dito algo muito parecido com o que você postou aqui.

Segue o link do meu blog:
http://blogdoseino.blogspot.com.br/2012/10/arminianismo-e-catolicismo-romano.html